O filé prefere a panela à grelha

Macio e versátil, o corte é a estrela de várias receitas clássicas, todas com ótimas histórias.

Delicado e saboroso ou um bife sem graça e insosso? Os amantes do filé mignon vão ficar indignados ao ver seu objeto de desejo chamado de ‘sem graça’.
Mas é isso mesmo o que a turma do churrasco acha do mignon: não vêem prazer nessa carne. Sem gordura e com fibras de maciez incomparável, essa parte do boi foi considerada por muito tempo o mais nobre dos cortes. Mas não resiste bem às brasas da churrasqueira.

STEAK DIANA – A receita do restaurante Tatini é um evento. Em frente ao cliente, o steak é frito na manteiga, flambado e coberto com uma mistura de molhos de tomate, rôti, inglês e mostarda. O apelo performático do prato ajuda a compor o clássico francês, preparado na casa desde a década de 50. Não por acaso, ele foi apresentado por Mário Tatini, proprietário do restaurante, nos primeiros programas de culinária brasileiros. O arroz é misturado ao molho para acompanhar o bife, que é bem batido, até ficar fininho. “Mas essa parte do arroz é uma criação daqui. A receita francesa não tem nada disso”, diz Tatini. O restaurateur conta ainda que um cliente tradicional chegou a receber o prato pelo correio, nos EUA. Quando o emissário contou na alfândega que o embrulho era o steak Diana, o sujeito que liberava a passagem, um paulista, só disse: “Se é o steak do Tatini, pode passar!”

Tatini: Rua Batatais, 558, Jardim Paulista, São Paulo Tel 11 3885-7601

Reportagem Revista Paladar

O Estado de São Paulo

Por Rita Loiola