Livro A Receita de Mario Tatini

Luciano Dellarole

“Devorei”, para ficar no âmbito gastronômico, o livro A RECEITA DE MARIO TATINI em duas “refeições”. Na pri­meira ingeri 141 páginas e na segunda as restan­tes 55. Isso, com o apeti­te aberto pelo ar do mar de Santos, cidade onde a saga dos Tatini no Bra­sil teve inicio.

Vinha observando e anotando algumas coinci­dências numéricas. Ao chegar à página 184, deci­di por registrá-las nessa pequena nota sobre esse grande livro.

Don Fabrizio desem­barcou em Santos-SP em 13 de junho de 1953. 0 dia do mês é o mesmo em que nasceu num agosto.

O Don Fabrizio São Paulo foi montado na Alameda Santos 65. Em 65, ocorreu o falecimen­to da Sra. Santa Maria, Mãe do Sr. Mario e de seus irmãos Athos, Dino e Iolanda. O clã Tatini foi o 13º proprietário do prédio localizado na Ave­nida Ana Costa 482, em Santos.

A data de inaugu­ração do Don Fabrizio Santos, 04 de julho, coin­cide com a data nacional dos Estados Unidos da América, país onde o Sr. Mario esteve por uns tem­pos.

O livro traz citações sobre a primeira fun­cionária, Lucia Trezzi, que considerava-se Tatini e pelos Tatini era considera­da da Família, sobre o Jorge e o Ximbica, dois colaboradores que tive a oportunidade e o prazer de conhecer e que sempre tão bem atende­ram à minha Família.

Descobri, ou redescobri, que o Sr. Mario e o seu filho Fabrizio são Santistas, de torcida, como eu. E, a coincidência do Sr. Mario fazer diariamente a viagem nos dois sentidos entre São Paulo e Santos, como o meu querido avô José.

Ao ler que o restaurante seria o “quinto filho“ do Sr.Mario, lembrei de ime­diato da Marianita, que tem no Fanfulla outro so­brinho ou o filho único, que não teve. Ri, recordei, exclamei, imaginei, comparei, emo­cionei-me. Há tempos não sentia tão fortes sen­sações advindas de uma leitura.

Tive oportunidade de conhecer e frequentar qua­tro dos cinco endereços dos restaurantes da Família Tatini, exceto o de Santos, fechado em 1980. Na semana passada fiz que­stão de ir até o endereço do primeiro templo gastronô­mico dos Tatini.

As três unidades Tatini frequentei (a de Alphaville menos vezes). Sempre fo­mos amigável e impecávelmente atendidos pelo Mar­co na Urussuí e pelo Sr. Mario e/ou Fabrizio na Ba­tatais. Agora, terei ainda maior prazer em rever o Mario e o Fabrizio. A ad­miração de sempre aumen­tou a cada página virada durante a leitura da vida dessa Família. Apenas, fica a tentação de chamar o pro­tagonista apenas por Ma­rio, devido à intimi­dade transmitida a cada linha. Mas, o hábito será mais forte e continuarei a chamá-lo “Seu Mario”, as­sim como o tratei ao encontrá-lo caminhando na praia em Aruba, ativo como sempre, mas num raro de­scanso.

DO LIVRO

“Numerologia do Mario Tatini: para um negócio ter sucesso, deve contar com um número ímpar de sócios. Jamais um número par, e três é um número excessivo.”  (Extraído da pá­gina 184).

” Não foi só uma grande perda para a nossa coletivi­dade como para nossa Santos, o fechamento de um estabelecimento do mais alto gabarito, que mantinha através dos seus proprietários, como ponto de honra, um aten­dimento aprimorado e ir­repreensível á sua seleta clientela. ”  A Tribuna, 12 de março de 1980 (Rodapé página 179).

RECEITA DE SALA­DA DE MARIO TATINI

Um Sábio.
Um avarento.
Um pródigo.
Um pazzo.
Um sábio para colocar sal;
Um avarento para cui­dar do vinagre ou limão;
Um pródigo no azeite;
e um pazzo para misturar tudo muito bem.

Ficha Técnica do livro:

A RECEITA DE MARIO TATINI 199 páginas mais 39 com AS RECEITAS 40 Fotografias em preto e branco

Impresso em São Paulo – SP em novembro de 2004
Autora: Teresa Cristòfani Barreto

Editora Iluminuras Ltda. São Paulo-SP

Foto da Capa (Acima reproduzida): Pedro Me­squita

Per Mangiare Bene: Tatini Ristorante: Rua Ba­tatais 558 – São Paulo -SP

*O texto acima exigiu 1 hora e 10 minutos após o texto Inicial, com a máxima preocupação de quem escreve sobre um Amigo.