Especial Bares e Restaurantes, 2004

É verdade que existe amor e dedicação à gastronomia. Este foi um lema adotado pela família Ta­tini, que chegou ao Brasil na década de 50 para apresentar a cozinha italiana aos brasileiros. Hoje, ela chega à quarta geração com uma saborosa história. Provenientes de Firenze (Florença), na Toscana, re­gião central da Itália, os primeiros Tatini se instalaram em Santos, on­de introduziram iguarias que os melhores chefs locais não conhe­ciam, mantendo assim uma tra­dição gastronômica iniciada em 1910 com o restaurante Antico Fattore, de propriedade de Casimiro, o pai de Fabrízio, avó de Mário, bisavô de Paola, Andréa, Taís e Fabrízio.

Casimiro era cozinheiro na Itália e tornou-se a grande influência so­bre Fabrízio Tatini, a quem ensinou seus dotes culinários. O filho logo iniciou um trabalho de “diretor de sala”, ou seja, o coordenador-geral de um restaurante.

Em 1953, Fabrízio chegou ao Brasil convidado a fundar um res­taurante. Com a vinda de sua esposa e quatro filhos, em 4 de julho de 1954, abriu no litoral a casa que receberia seu nome: Restaurante Fabrizio Tatini, onde passou a de­senvolver uma cozinha que con­quistou o paladar dos paulistas.

Algumas das novidades intro­duzidas foram os cremes nas mas­sas. O sucesso foi tão grande à época, que boa parte dos clientes da casa era oriunda da capital paulista, pessoas que desciam a serra para aproveitar os sabores da Itália. Por conta disso, em 1958 a casa se transferiu para a região dos Jardins, em São Paulo, recebendo o nome de Tatini Restaurante e, em 1982, se deslocou para a Rua Ba­tatais, onde está até hoje.

De geração para geração

Quando jovem, o filho Mário Tatini também se espelhava no pai desenvolvendo a função de gerente. Quando chegou ao Brasil, com 25 anos, passou a administrar o Fa­brízio Tatini, em Santos. “Meu pai era muito entendido no assunto e com ele aprendi tudo”, diz Mário, que continua à frente do restau­rante paulistano, aos 75 anos de idade. “Minha escola da vida pro­fissional foi com ele”, diz, emo­cionado.

Para conhecer o negócio, Fabrí­zio mandou Mário trabalhar em outras casas, justamente para aprender toda a base do atendi­mento e da cozinha. Agora, de seus quatro filhos Paloma, Andréa, Tais e Fabrízio, dois se dedicam à gas­tronomia. “A convivência foi im­portante para essa dedicação”, ex­plica, se referindo também a An­dréa, que possui um Pet Shop, e a Taís, que optou pela área de edu­cação física. “Também devo a base de meu aprendizado ao meu pai”, explica Fabrízio Tatini, neto de Don Fabrízio e filho de Mário, que tro­cou a carreira de publicitário pela gastronomia. “Pensei no patrimônio cultural da família, pois são anos de receitas e trabalho”, diz. Durante 10 anos acompanhando o pai, ele resolveu cursar gastrono­mia e hotelaria, na Espanha, apaixonando-se pelo negócio. “Fiquei a mosca do molho ao sugo”, brinca Fabrízio, para quem é um privilégio trabalhar com um conhecedor e apaixonado pelo que faz. Mesmo reconhecendo que ainda não pos­sui a habilidade do pai para a per­cepção dos aromas, ele sabe que tem algumas das boas caracterís­ticas da antiga geração. “Não sou um chef de cozinha, mas já tenho algumas habilidades”, brinca.

E tudo indica que essa história ainda continuará sendo es­crita por longos anos, como o espera o pa­triarca Mário. A pai­xão pelo setor já é percebida na quinta ge­ração da família: aos 16 anos, a filha de Fabrízio já possui uma “per­cepção aromática”, assim como Tia­go, 12 anos, filho de Paola, pro­prietária de uma rotisseria. “Ele já possui um paladar refinado, dife­renciando os pratos”, comentam Mário e Fabrízio.

Na receita, hospitalidade

O sucesso da Família Tatini pode ser explicado também pela hos­pitalidade com que recebem seus clientes. Mário e Fabrízio fazem questão de cumprimentar cliente por cliente, identificando cada um deles. Uma relação de amizade com famílias que passam por lá também há gerações.

“É uma satisfação quando eles voltam”, comenta Mário, que possui 20 livros com mensagens de ami­zade escritas por VIPs que, ao longo dos anos, freqüentaram o estabe­lecimento. Dentre as personalida­des destacam-se o presidente Lula, o ministro José Dirceu, o ex-presidente Fernando Henrique Cardo­so e o ex-governador de São Paulo, Orestes Quércia. Além de sucesso empresarial, a história dos Tatini serve como lição de vida pela pai­xão e dedicação que envolvem ge­rações.

Registro literário

Certamente que a saga da fa­mília Tatini deveria ser registrada em uma obra literária, para que no futuro outras famílias tenham co­nhecimento dessa trajetória. Ciente dessa importância, Teresa Cristófani Barreto, professora de litera­tura hispano-americana da Univer­sidade de São Paulo (USP), lançou na última semana o livro A Receita de Mario Tatini

Freqüentadora do restaurante Tatini há quinze anos, Teresa se encantou com o modo como pai e filho tratam os clientes, além de se confrontar com uma clientela assídua, envolvendo jo­vens e senhores, muitos destes ain­da de Santos.

O envolvimento com a hospi­talidade dos Tatini foi percebido logo na se­gunda visita, conta a autora no prefácio do seu livro, quando relata que “logo na segunda ou terceira visita se sentiu parte do ambiente”.

A grande revelação do clima amigável se  deu quando a autora convidou o senhor Tatini para o lançamento de um de seus livros. “Fiquei surpresa com a presença de Mário”, relata.

A festa em homenagem a Teresa oferecida por Mário, seria ainda naquela noite com um brinde na casa da família italiana. Na oportunidade, em 1996, Teresa brindou com Mário e tomou conhecimento do “livro de ouro” da casa. Foi uma surpresa de primeiro instante saber que a casa possuía um registro histórico. Logo veio a idéia de um livro.

Foram sete longos anos de con­versas e insistências com o velho Mário, que sempre dizia: “Vamos ver”. A boa nova se deu após uma conversa com Fabrízio, filho de Mário, que de imediato acenou positivamen­te à idéia.    Foram dez meses, a contar de agosto de 2003 a junho de 2004, com almoços e jan­tares regados de muita alegria para a elaboração editorial da obra.  Co­mo pode ser observado no livro, a autora resume a história da saga dos Tatini em uma palavra que remete o leitor a uma reflexão: “emoção”.

Serviço:

Tatini Restaurante: Rua Batatais, 558. Jardim Paulista. Informações (11) 3885-7601.

Fonte: Diário do Comércio e Indústria – Davi Brandão